Foda-se…..

março 12, 2008 às 9:32 am | Publicado em boteco, diversão, saude | 5 Comentários
Tags:

Well…

O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional a quantidade de “foda-se!” que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do “foda-se!”? O “foda-se!”, aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor.Reorganiza as coisas. Me liberta. “Não quer sair comigo? Então FODA-SE!”. “Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? “Foda-se!” O direito ao “foda-se!” deveria estar assegurado na Constituição Federal. Liberdade, igualdade, fraternidade e foda-se! (…)
Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que “PRA CARALHO”? “Pra caralho” tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de Cerveja pra caralho, entende? No gênero do “Pra caralho”, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso “NEM FODENDO!” O “Não, não e não!” e tampouco e nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade “Não, absolutamente não!” o substituem. O “Nem fodendo!” é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida.(…) Por sua vez, o “porra nenhuma!” atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a gravata daquele chefe idiota senão com um “é PHD PORRA NENHUMA!” ou “ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!”. O “porra nenhuma”, como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.São dessa mesma gênese os clássicos “aspone”, “chepone”, “repone” e mais recentemente o “prepone” – presidente de porra nenhuma.
Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um “Puta que pariu!”, ou seu correlato “PU-TA-QUE-O-PA-RIU!!!”, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba. Diante de uma notícia irritante qualquer um “puta-que-o-pariu!” dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça. E o que dizer de nosso famoso “vai tomar no cu!”? E sua maravilhosa e reforçadora derivação “VAI TOMAR NO OLHO DO SEU CÚ!!!”. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: “Chega! Vai tomar no olho do seu cú!”. Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima.Desabotoe a camisa e saia à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.
E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior Poder dedefinição do Português Vulgar: “Fodeu!”. E sua derivação mais avassaladora ainda: “Fodeu de vez!”. Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar. O que você fala? “FODEU DE VEZ!”.

Anúncios

Como virar um corujão funcional

março 7, 2008 às 1:58 pm | Publicado em nerdices, problema, saude | 2 Comentários
Tags: , , , ,

O esquema do sono polifásico é, basicamente, tirar vários cochilos durante o dia; ao contrário do sono monofásico praticado pela maioria dos “humanóides normais” que dormem cerca de 8 horas seguidas. É uma boa maneira de dormir pouco sem problemas de sono; ou se você preferir de desfrutar dos benefícios diversos de ficar acordado mais horas por dia.

Muita gente conhecida já foi adepta do sono polifásico. Entre a lista figuram nomes como Churchill, Napoleão Bonaparte, Leonardo da Vinci, Bruce Lee e por aí vai. Embora dormir poucas horas pareça uma agressão à saúde, até os médicos parecem aprovar o sono polifásico, por mais incrível que possa parecer.

A teoria do sono polifásico se baseia na adaptabilidade do corpo humano segundo a qual podemos adaptar o organismo segundo nossas vontades. Levamos, em média, 90 minutos para passar por todos estágios do sono e alcançar a etapa profunda (REM). O segredo do sono polifásico, então, é diminuir o tempo necessário para chegar nesse estágio e ter o máximo de tempo REM em cada cochilada. Assim, depois de cada cochilada a sensação é de estar totalmente descansado, já que o REM é a parte do sono em que o cérebro “descansa”.

https://i0.wp.com/static.howstuffworks.com/gif/sleep-stages.gif

O método do Uberman é o mais xiita dos tipos de sono polifásico. Você deve seguir um “calendário do Uberman”, tirando 6 cochilos de 20 minutos durante o dia a cada 4 horas – embora alguns entendidos não considerem a necessidade de seguir esse intervalo de 4 horas à risca. Inviável? Magina…

Como é muito difícil para uma pessoa poder tirar vários cochilos dessa forma, nasceram outras tabelas de sono polifásico “melhor adaptadas” para o dia-a-dia normal. Uma forma light e interessante é o Core Sleep deste link que consiste de um bloco de sono de verdade (3 horas, por exemplo) + 3 ou 4 cochilos de 20 ou 30 minutos no horário que você quiser durante o dia. É bem mais flexível, mas ainda assim difícil para os urbanóides que saem de casa de manhã e voltam tarde da noite.

Há muitos relatos na Internet sobre pessoas que viraram adeptas do sono polifásico e outras que não conseguiram se acostumar – seja porque não aguentaram o sofrimento dos 15 dias de adaptação ou porque não se sentiram bem em ser “diferente” do normal.

O período de adaptação é complicado MESMO. Esteja preparado para ficar sonolento e improdutivo por alguns dias, talvez semanas. E embora pareça interessante à primeira vista, o maior problema dos que dizem já ter passado pela experiência é ter o já citado “hábito insano“, afinal você estará acordado enquanto todo mundo está dormindo e cochilando enquanto todo mundo trabalha.

Para os workaholics de plantão é uma mão na roda, dormir apenas 4 horas por dia sem sentir sono deve ser fantástico. Vou para a etapa do teste para ver no que dá e coloco os resultados aqui mesmo mais pra frente. Mas, para ser sincero, eu até que gosto de dormir minhas 10 horas diárias…

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.